Header Ads

Na posse, novo ministro da Educação defende Estado laico


Ao tomar posse, na tarde desta quinta-feira, 16, o novo ministro da Educação, Milton Ribeiro, fez gestos pelo diálogo com acadêmicos, pelo Estado laico e em favor do ensino público. Ele citou como focos de sua gestão a educação infantil e o ensino profissionalizante. A cerimônia, que ocorreu no Palácio do Planalto, foi acompanhada pelo presidente Jair Bolsonaro por videoconferência. O cargo estava vago há quase um mês, desde a saída de Abraham Weintraub, demitido após sucessivas polêmicas.

“Tenho a formação religiosa. Meu compromisso, que assumo hoje, ao tomar posse, está bem firmado e bem localizado em valores constitucionais, da laicidade do estado e do ensino público. Assim, deus me ajude”, declarou Ribeiro ao assumir formalmente o cargo. Ele é advogado, teólogo e pastor presbiteriano.

A indicação de seu nome para a pasta foi atribuída ao ministro da Secretaria-geral, Jorge Oliveira, e ao ministro da Justiça, André Mendonça, também presbiteriano. Entre as características que fizeram com que Ribeiro fosse escolhido, está o “apreço à família e aos valores”, dizem conhecidos e integrantes do governo. Ribeiro foi vice-reitor do Mackenzie, quando o reitor era o ex-governador Claudio Lembo, mas é desconhecido entre especialistas da educação.

O novo ministro contou que, ao ser convidado para a função, Bolsonaro destacou que queria priorizar a educação infantil e o ensino profissionalizante no MEC. E assumiu o compromisso para seguir a orientação. “Quando recebi o honroso convite por parte do senhor presidente para assumir o MEC, entre outras coisas, ele me disse: ‘olhe com carinho para a educação das crianças e ao ensino profissionalizante’. Hoje, publicamente, assumo o compromisso de que seguiremos essa orientação”, afirmou. “Ainda, através do incentivo a cursos profissionalizantes, desejamos que os jovens tenham uma ponte ao mercado de trabalho. Uma via para que atinjam o seu potencial de contribuição para o nosso País”, acrescentou.

Ele também afirmou que quer “abrir um grande diálogo para ouvir os acadêmicos e educadores”. E citou que, assim como ele, os professores estão “entristecidos com o que vem acontecendo com a educação em nosso país”. “Haja vista nossos referenciais e colocações no ranking do Pisa”, disse, citando a avaliação mundial de educação em que o Brasil está entre os 20 piores colocados.

Ribeiro também disse que nunca defendeu violência física na educação escolar. “Nunca defenderei tal prática, que faz parte de um passado que não queremos de volta.” Em vídeo há quatro anos, Ribeiro defendeu que crianças sejam educadas “com dor”.

Em seguida, nesta quinta, afirmou que “a implementação de políticas e filosofias educacionais equivocadas” desconstruíram a autoridade do professor em sala de aula e, por isso, “existem atualmente por muitas vezes episódios de violência física de alguns maus alunos contra o professor”. “As mesmas vozes críticas de nossa sociedade devem se posicionar contra tais episódios com a mesma intensidade (…) Precisamos resgatar o respeito pelo professor.”

Bolsonaro defende diálogo

Ao discursar no evento, por videoconferência, Bolsonaro afirmou que a presença de um gestor “voltado para o diálogo” tratá entendimento ao setor. Desde o início do governo, a pasta é alvo de disputas e foco de divergências entre técnicos, grupos ligados ao guru bolsonarista Olavo de Carvalho e militares.

“Com a chegada de um ministro voltado para o diálogo, usando a sua experiência e querendo o melhor para as crianças, esse entendimento se fará presente”, disse Bolsonaro.

A indicação de Ribeiro para o MEC é atribuída ao ministro-chefe da Secretaria-geral, Jorge Oliveira, e ao ministro da Justiça, André Mendonça, também presbiteriano. Apesar de ligado à igreja, a bancada evangélica do Congresso apoiava outro nome para o cargo.

Bolsonaro enfatizou diversas vezes que Ribeiro terá um grande desafio pela frente, além de dizer que o MEC é “grande, complexo, com autonomias e setores, dependendo muitas vezes de conselhos para tomar decisões”. O presidente também falou sobre a importância da Educação, que passa pela terceira vez em menos de dois anos por uma troca de comando, para a sua gestão.

“Não é fácil a vida do ministro (da Educação). E dele, em grande parte, depende o futuro da nossa nação. Já disse ao (ministro) Paulo Guedes que o que liberta um País, o que liberta um homem não são programas sociais, são conhecimento (sic). E esse conhecimento vem em grande parte do Ministério da Educação”, declarou o presidente.

Em seguida, Bolsonaro lembrou a saída de Weintraub e disse não ter dúvidas que a transição será tranquila, mas que Ribeiro deve mudar parte da equipe. “Você (Ribeiro) terá como, pontualmente, colocar gente ao teu lado com o mesmo espírito seu. Se bem que pode ter certeza que grande parte do ministério pensa como você. E eles agora, na tua pessoa, terão como fazer valer o seu potencial, para que venhamos então a dar o melhor do seu ministério para o Brasil, fato esse que nos libertará.”

Antes de Ribeiro, o professor Carlos Alberto Decotelli chegou a ser nomeado na pasta, mas nem sequer tomou posse. Ele pediu demissão cinco dias depois do anúncio após a descoberta de inconsistências em seu currículo, que incluíam um doutorado não concluído na Argentina e um pós-doutorado não confirmado na Alemanha.

Nenhum comentário