Header Ads

Exonerado, ex-presidente da PBPrev chama João Azevêdo de “traidor”


Exonerado pelo governador João Azevêdo, o agora ex-presidente da PBPrev, Yuri Simpson, se manifestou, em nota, sobre as justificativas do chefe do Poder Executivo estadual para as demissões publicadas, nessa quarta-feira (27/11/2019), no Diário Oficial do Estado.
Em nota, Simpson diz que João Azevedo “tenta encobrir a verdadeira traição ao projeto implementado no Estado por Ricardo Coutinho, propagando inverdades sobre a performance de órgãos importantes, como no caso a PBPREV”. Além de Yuri Simpson, Fábio Maia (secretário executivo de Planejamento) também foi exonerado. Ambos são homens de confiança do ex-governador Ricardo Coutinho.
Em relação a Simpson e a PBPrev, Azevêdo disse, ontem, que precisaria de alguém capaz de conduzir as mudanças no sistema previdenciário, além de mais presença no próprio governo. “Uma gestão governamental deve ser feita com bom relacionamento entre governante e gestores de órgãos”, reagiu Simpson antes de acusar João Azevêdo de não recebê-lo para tratar de assuntos relacionados à PB-Prev.
“Inconcebível é, pedir audiência com o governador, ressaltando ser a primeira para tratar individualmente sobre previdência e não conseguir agenda, principalmente num momento delicado da Reforma da Previdência, onde somos contrário em penalizar apenas a classe trabalhadora em detrimento do sistema financeiro, o que por via de consequência não solucionará o problema do déficit financeiro e atuarial do Estado”.
Leia, abaixo, a nota completa de Yuri Simpson 
Em Janeiro de 2015 aceitei o convite do então Governador Ricardo Coutinho para dirigir os destinos da Paraíba Previdência – PBPREV, num momento extremamente delicado vivido por aquela autarquia. Encontramos muito a ser feito e muito fizemos, como, por exemplo,a redução vertiginosa do custeio, a taxa de administração e aumento considerável no tempo de análise e resolução dos processos (22.956 até a presente data). Atingimos recordes com a redução de custeios ano após ano da gestão, e com o importante Certificado de Regularidade Previdenciária em dia.
Diante das maquiavélicas traições existentes no meio político, onde não fui o primeiro e nem tampouco serei o último a sentir seus dissabores, deparo-me com notícias veiculadas pela imprensa, dando conta da minha ausência/omissão na PBPREV. No entanto, os números dizem o contrário, fizemos sim, uma gestão exitosa e de fácil constatação.
Uma gestão governamental deve ser feita com bom relacionamento entre governante e gestores de órgãos. Inconcebível é, pedir audiência com o governador, ressaltando ser a primeira para tratar individualmente sobre previdência e não conseguir agenda, principalmente num momento delicado da Reforma da Previdência, onde somos contrário em penalizar apenas a classe trabalhadora em detrimento do sistema financeiro, o que por via de consequência não solucionará o problema do déficit financeiro e atuarial do Estado.
A bem da verdade, este governo tenta encobrir a verdadeira traição ao projeto implementado no Estado por Ricardo Coutinho, propagando inverdades sobre a performance de órgãos importantes, como no caso a PBPREV.
Saio com a certeza do dever cumprido e de alma aliviada, pois estava sentido, cada vez mais forte, que esse governo não é o governo que lutamos para eleger.

Fonte: Mais PB

Nenhum comentário