Header Ads

CMCG

Em almoço fechado, Trump diz querer Brasil como membro pleno da Otan



Durante almoço fechado na Casa Branca na terça-feira (19) com a participação de ministros brasileiros e do presidente Jair Bolsonaro, o presidente dos EUA, Donald Trump, afirmou que vai trabalhar para fazer do Brasil um membro pleno da Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte), a aliança militar liderada por Washington.
​Durante a viagem de Bolsonaro à capital americana, o governo Trump designou o Brasil como um aliado prioritário extra-OTAN, classificação que identifica parceiros estratégicos dos EUA que não sejam parte da aliança e que tem um caráter mais simbólico.
Ela permite, por exemplo, que o país tenha acesso a vários tipos de cooperação militar e a transferências de tecnologia com os EUA. Também permite que o Brasil tenha acesso preferencial a compra de equipamentos militares americanos, com isenções dentro da Lei de Exportação de Armas que rege a venda desses produtos sensíveis.
Durante a entrevista coletiva que deu na terça no jardim da Casa Branca após seu encontro com o brasileiro, Trump mencionou a possibilidade de o país entrar na Otan.
O assunto foi discutido mais longamente durante o almoço entre os líderes e apoiado pelo conselheiro de segurança nacional dos EUA, John Bolton.
O tópico teria sido abordado mais uma vez no jantar de trabalho na Blair House (local onde Bolsonaro estava hospedado) na noite de terça, que teve participação de Bolton. 
Durante o almoço, segundo relataram participantes à Folha, Trump disse que achava a classificação como um aliado prioritário extra-OTAN muito pouco para o Brasil e que queria fazer do país um membro pleno da organização. Bolton teria dito que adorava a ideia e pedido considerações ao chanceler Ernesto Araújo.
 
Ainda segundo relatos de participantes, Ernesto teria dito que o Brasil precisa se vincular em definitivo com o Ocidente e estabelecer claramente sua identidade. A maneira de realizar isso seria se tornar membro pleno da Otan e da OCDE, o clube dos países ricos —Trump afirmou na terça que daria apoio à entrada do Brasil na OCDE.
A Otan é o bloco de defesa de países capitalistas criado no contexto da Guerra Fria. O artigo 5 do tratado que o criou estabelece que um ataque armado contra um dos membros da organização será considerado agressão contra todos.
Esse artigo foi invocado uma única vez na historia –quando os EUA sofreram os atentados de 11 de setembro de 2001, e os membros da aliança contribuíram com efetivo para a invasão do Afeganistão.
Embora Trump e Bolton tenham falado em fazer do Brasil membro pleno, a organização diz que “a Otan é uma aliança de países da Europa e da América do Norte”.
Na realidade, se quiser de fato incluir o Brasil, os EUA precisarão propor alteração no Tratado do Atlântico, a pedra fundamental da aliança Ocidental.
No seu artigo 10, o tratado afirma que os membros poderão convidar "Estados europeus" a se juntar a eles —deixando claro que não há vagas para países americanos. Tais convites ocorreram diversas vezes, como na ampliação da aliança ao leste após o fim da União Soviética.
O artigo 6 do texto faz uma referência ao Atlântico Norte, mas apenas no sentido de que se um Estado-membro for atacado em águas acima do Trópico de Câncer, os outros integrantes deverão se unir em sua defesa.
Apenas os chamados “parceiros globais da Otan” vêm de fora da região. É o caso da Colômbia, Japão, Coreia e Austrália. 
Trump então teria dito no almoço que vai trabalhar pela entrada do Brasil na Otan e enfatizar o eixo Norte-Sul, já que, segundo ele, os europeus parecem não valorizar a aliança militar.
Uma das grandes críticas de Trump é que os europeus não contribuem o suficiente para a organização e que os Estados Unidos são obrigados a arcar com a grande maioria de seus custos.
Ele pressiona países como a Alemanha a aumentar seus gastos em defesa —Berlim gasta 1,5% do PIB no setor. Se entrasse na Otan como membro pleno, o Brasil teria que se comprometer a gastar 2% do PIB em defesa.
O Brasil, de acordo com o Instituto Internacional de Estudos Estratégicos (IISS, na sigla inglesa), gastou em 2018 1,4% de seu PIB com defesa (1,51% segundo o governo), mas 89% do valor vão para pagamento de pessoal e inativos.
Do lado brasileiro, foi dito que o Brasil tem acesso ao Atlântico Norte e que, portanto, poderia ser membro pleno e não apenas parceiro global como a Colômbia, único país latino americano com este status —que permite a cooperação em diversas áreas, mas que não exige a participação em ações militares, diferente do que ocorre com os membros plenos.   
Atualmente, a Otan tem 29 membros: Bélgica, Canadá, Dinamarca, França, Alemanha, Islândia, Itália, Luxemburgo, Holanda, Portugal, Reino Unido, EUA, Espanha, Hungria, República Tcheca, Polônia, Grécia, Turquia, Noruega, Bulgária, Estônia, Letônia, Lituânia, Romênia, Eslováquia, Eslovênia, Albânia, Croácia e Montenegro.

Uol

Nenhum comentário