Header Ads

Jovem que ofendeu nordestinos vive escondida


A estudante Mayara Penteado Petruso, que postou frases contra nordestinos nas redes sociais e agora é alvo do Ministério Público Federal. Investigação está sob sigilo.

Depois de perder o emprego, Mayara diminuiu também a frequência de encontro com o grupo habitual de amigos e ganhou fama de “a menina que não gosta de nordestinos” na cidade onde morava com a família, em Bragança Paulista, interior de São Paulo.

A família também ficou reclusa. Alegando terem recebido ameaças por e-mail e telefone, a mãe e a avó da garota se dizem assustadas ao verem pessoas estranhas rodeando seu pequeno comércio, na periferia de Bragança. Orientada pelo advogado que defende Mayara, a família optou por limitar o contato com a imprensa.

“A Mayara é ameaçada todo dia. Tudo que vocês falam só a prejudica. Ninguém sabe o que aconteceu de fato e peço para que parem de nos procurar”, afirmou a avó da estudante, Magda Penteado, ao ser procurada pela reportagem do iG. “Tanta coisa para se preocupar no mundo e vocês ficam perturbando a minha neta?!”, indagou nervosa.

Depois de muita insistência, a mãe da garota, Luciana Penteado, resolveu trocar poucas palavras com a reportagem. “A vida da Mayara está em perigo. As pessoas não sabem o que ocorreu de fato e fazem julgamentos antecipados”, disse a mãe. “A gente só quer um pouco de sossego para continuar a vida”, desabafou.

Luciana Penteado se disse cansada do assédio da imprensa e de pessoas estranhas que, segundo ela, passaram a rondar sua casa em Bragança. Ela lamentou que a privacidade da família tenha sido exposta na internet. “Nossos dados pessoais e endereço foram expostos na internet como se fossemos criminosos”, contou.

De acordo com a mãe, a família foi obrigada a trocar a linha de telefone em virtude das ameaças e da quantidade de ligações procurando Mayara após o episódio das eleições.

Pelo fato de seu endereço ter sido divulgado na internet, a jovem de 21 anos decidiu não voltar para a casa da mãe e está abrigada longe da família. “Ela só quer esquecer o episódio, provar sua inocência e continuar a vida”, disse a mãe, que respondia as perguntas com brevidade e receio.

Questionada sobre o que aconteceu de fato na noite de 31 de outubro, Luciana encerrou de vez o assunto e afirmou que dali em diante o advogado da garota responderia a eventuais questionamentos.

O pai de Mayara, o empresário Antonino Petruso, dono de uma rede de supermercados de Bragança também preferiu não se pronunciar. Na época em que o caso veio à tona, ele afirmou ao iG que estava “surpreso, decepcionado e envergonhado” com atitude da filha. Ele deixou de atender ao telefone e se recusou a receber a reportagem em uma de suas lojas, no centro de Bragança.

Na Justiça, o Ministério Público Federal em São Paulo também decretou na semana passada o sigilo de Justiça da investigação contra jovem, a pedido do advogado da acusada, Osvaldo Zago. A procuradora da República Melissa Garcia Blagitz Abreu e Silva entendeu que o assédio da imprensa atrapalha a apuração do caso e a segurança de Mayara Petruso.

Parte interessa no caso, a OAB de Pernambuco disse que desconhecia o segredo da investigação e, um mês depois do acontecido, ainda espera retorno do MPF para saber se queixa-crime será aceita pelo órgão. A entidade diz que aguardará a manifestação da procuradora sobre se abrirá ou não processo criminal contra a jovem antes de se pronunciar. O Ministério Público Federal informa, contudo, que ainda não há processo formal aberto contra Mayara Petruso na Justiça.
Do IG

Nenhum comentário