Brasil registra 961 novas mortes por covid-19 em 24 h; óbitos somam 189.220

 


O Ministério da Saúde divulgou hoje que o Brasil teve confirmadas 961 novas mortes causadas pela covid-19 nas últimas 24 horas. Desde o início da pandemia, o total de óbitos provocados pela doença chegou a 189.220.

De ontem para hoje, foram confirmados 46.696 novos testes positivos para a covid-19 em todo o país. O número de infectados pelo novo coronavírus subiu para 7.365.517 desde o começo da pandemia.

Segundo o governo federal, 6.405.356 pessoas se recuperaram da doença, com outras 770.941 em acompanhamento.

SP diz que CoronaVac tem eficácia para pedir uso emergencial

O governo de São Paulo e o Instituto Butantan anunciaram hoje que a vacina CoronaVac, contra covid-19, produzida em parceria com o laboratório SinoVac, apresentou segurança e eficácia suficientes para pedir registro de uso emergencial. A porcentagem dessa eficácia, porém, não foi divulgada a pedido do laboratório chinês. A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) só deve receber os dados em até 15 dias, quando analisará as informações e decidirá se aprova o uso do imunizante em território nacional.

Dimas Covas, diretor do Instituto Butantan, afirmou que o atraso na divulgação dos resultados da fase 3 de testes não interferirá no prazo de aprovação da vacina. O objetivo, disse, é que os dados sejam comparados a resultados de pesquisas em outros países, evitando que o imunizante tenha diferentes índices de eficácia anunciados.

Apesar de não divulgar os números, o secretário estadual de Saúde, Jean Gorinchteyn, disse que a vacina atingiu "a superioridade de eficácia" exigidos "tanto pela Anvisa quanto pela OMS".

Questionado se a ausência de dados reflete decepção nos resultados, Gorinchteyn negou, mas disse que o objetivo sempre foi que a eficácia superasse 50%. "Se fosse 51% para nós já era importante, principalmente no momento em que vivemos uma crise sanitária", afirmou.

Veículos se unem pela informação

Em resposta à decisão do governo Jair Bolsonaro de restringir o acesso a dados sobre a pandemia de covid-19, os veículos de comunicação UOL, O Estado de S. Paulo, Folha de S.Paulo, O Globo, G1 e Extra formaram um consórcio para trabalhar de forma colaborativa para buscar as informações necessárias diretamente nas secretarias estaduais de Saúde das 27 unidades da Federação.

O governo federal, por meio do Ministério da Saúde, deveria ser a fonte natural desses números, mas atitudes de autoridades e do próprio presidente durante a pandemia colocam em dúvida a disponibilidade dos dados e sua precisão.


Uol

Nenhum comentário