Header Ads

CMCG

Bolsonaro deve manter foco nas redes sociais e no antipetismo para o 2º turno

A equipe de Jair Bolsonaro (PSL) decidiu que manterá no segundo turno o que fez até agora: apostar nas redes sociais como principal forma de comunicação e manter o antipetismo como discurso.
Conselheiros da campanha afirmam que não é o momento de apresentação de propostas. Na avaliação da equipe do presidenciável, o eleitorado busca um antagonista à velha política e que faça oposição aos investigados na Lava Jato.
“Mais propostas que os marqueteiros do Alckmin fizeram? Que a campanha do Ciro fez? Impossível”, afirma o deputado Onyx Lorenzoni (DEM-RS), futuro ministro da Casa Civil num governo do PSL.
Segundo ele, a eleição no dia 28 de outubro será definida entre “o passado do Lula e a a esperança de um futuro, que o Bolsonaro representa”.
Lorenzoni avalia que vencerá aquele que tiver o melhor conceito, imagem, e não o melhor plano de governo.
“[Programa de governo] é uma empulhação que marqueteiro ensinou para todos no Brasil. Marqueteiro não compreende questões conceituais de gestão, porque ele sabe vender sabonete. Diante disso, o que ele faz? Ele precisa de um programa porque o programa se assemelha ao sabonete”, diz.
Bolsonaro pretende participar de debates presidenciais para confrontar Haddad. Ele deve explorar as visitas semanais que o petista faz ao ex-presidente Lula, na carceragem em Curitiba.
A ida do presidenciável aos debates dependerá de autorização médica. Ele será submetido a uma avaliação nesta semana.
O primeiro duelo entre os presidenciáveis no segundo turno está marcado para quinta-feira (11), na TV Bandeirantes.
Filho do capitão reformado, Flavio Bolsonaro (PSL-RJ) comemorou nesta segunda-feira (8) o resultado das urnas e, em especial, destacou o crescimento da bancada do PSL no Legislativo. A legenda passou de 8 para 52 cadeiras na Câmara e de 0 para 4 assentos no Senado.
“Isso significa que o Jair Bolsonaro já iniciará o próximo governo, se Deus quiser, com a grande e ampla base de apoio e mostra que o lado oposto, o lado das trevas, dificilmente terá governabilidade. É mais um ingrediente para que todos avaliem que o caminho melhor é com Bolsonaro na Presidência”, afirmou Flavio, que foi eleito no domingo (7) senador pelo Rio de Janeiro.
A campanha tem minimizado a importância de alianças para o segundo turno e os líderes afirmam que todo apoio que não vier da esquerda será bem-vindo.
Ao contrário de Haddad, que deve fazer um aceno ao centro, Bolsonaro não deve mudar muito o discurso.
Embora alguns de seus aliados defendam que ele suavize o tom, outros acreditam que isso poderia alterar justamente o que ajudou a conquistar eleitores: a polarização com o PT.
“A gente não precisa conquistar voto de ninguém, a gente só precisa mostrar quem é o PT”, afirma Gustavo Bebianno, presidente do PSL.
“A verdade vai ser esfregada na cara do PT, e nós vamos ter a oportunidade de esclarecer aqueles que ainda estão se deixando enganar por um projeto de poder falacioso, mentiroso e corrupto, que é do PT”, afirmou Flavio Bolsonaro.
No último enfrentamento entre os postulantes ao Palácio do Planalto, Bolsonaro foi criticado por seus concorrentes por sua ausência.
A exposição do candidato em eventos públicos ainda é avaliada. Enquanto um grupo defende que ele volte às ruas, a saída do deputado federal para votar na manhã de domingo (7) causou preocupações.
Ele se queixou de desconforto relacionado à bolsa de colostomia após ter sido cercado por jornalistas e apoiadores na saída da seção eleitoral. Bolsonaro ainda está em processo de recuperação após ter sido esfaqueado no início de setembro e passar por duas cirurgias.
“Defendo o Jair com o foco, usando o seu forte, que são as redes sociais. Ele vai ter uma visita dos médicos dele para determinar se ele vai poder ir para a rua em algum momento, se ele vai poder sair de casa”, disse Flavio Bolsonaro.
Caso a avaliação seja de que o candidato do PSL tem condições de fazer viagens, deve ser priorizada a região Nordeste, única não visitada por ele durante a campanha e reduto de voto tradicionalmente petista.

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS)

Nenhum comentário