Header Ads

CMCG

Cavani e Suárez conduzem Uruguai às quartas. Cristiano Ronaldo faz pouco



O primeiro duelo de quartas de final colocará duas seleções campeãs do mundo frente a frente. Bicampeão em 1930 e 1950, o Uruguai venceu Portugal por 2 a 1 neste sábado (30), em Sochi, e se classificou para a próxima fase da Copa do Mundo. O adversário será a França, campeã de 1998, que bateu a Argentina por 4 a 3.
A partida entre Uruguai e França acontece na sexta-feira (6), às 11h (de Brasília). Pepe marcou para Portugal, mas os dois gols uruguaios foram feitos por Cavani, que teve bela atuação. Antes desta tarde, a seleção celeste só havia marcado na Copa da Rússia em lances de bola parada.
O pior cenário possível para os portugueses já começou a se desenhar logo no primeiro gol de Cavani. Afinal, a equipe de Portugal só conseguiu virar um único jogo de Copa em sua história, uma vitória por 5 a 3 sobre a Coreia do Norte em julho de 1966.

O melhor: Cavani

REUTERS/Murad Sezer
Imagem: REUTERS/Murad Sezer
Responsável por iniciar e concluir a jogada do primeiro gol, Cavani foi o atleta mais letal em campo. Aos 7 minutos de jogo, ele inverteu a jogada para a esquerda, onde estava Suárez, e se infiltrou rapidamente entre os zagueiros para se posicionar.
O atacante do Barcelona cruzou na cabeça do camisa 21, que tocou meio de rosto, meio de peito para abrir o placar. Este foi o primeiro gol do Uruguai na Copa de 2018 que não saiu em jogada de bola parada (todos os outros cinco foram frutos de cobranças de falta ou escanteio, e um destes ainda foi contra).
Insaciável, Cavani ainda fez o segundo aos 16 do segundo tempo e aliviou a preocupação uruguaia com um golaço. Pepe tentou afastar, mas Nandez recuperou a bola e entregou para o atacante do PSG, que chutou de primeira e acertou o cantinho esquerdo do gol de Rui Patricio.
Cavani ainda teve outros lances de destaque, como um bonito drible para cima de Ricardo Pereira aos 47 do primeiro tempo. A levantadinha e o chute teriam resultado em outro golaço se a bola tivesse entrado, mas não aconteceu. Ele correu tanto que saiu com dores os 28 do segundo tempo.

O pior: Ricardo Pereira

REUTERS/Toru Hanai
Imagem: REUTERS/Toru Hanai
O lateral teve infeliz participação nos dois gols do Uruguai. No primeiro deles, falhou na cobertura pela esquerda e deu espaço para Suárez levantar a bola do jeito que quis. No segundo gol, Ricardo Pereira era o responsável pela marcação de Cavani, mas se atrapalhou e pareceu indeciso sobre quem deveria pressionar.

Pepe furou bloqueio

REUTERS/Jorge Silva
Imagem: REUTERS/Jorge Silva
Existia expectativa quanto ao duelo particular entre Pepe e Luis Suárez, que por muito tempo tiveram rivalidade no futebol espanhol. Não houve um lance polêmico entre os dois, mas o gol de empate de Portugal foi feito pelo zagueiro.
Na comemoração, Pepe levou as mãos à boca em gesto que pode ser interpretado de duas formas. É possível que tenha sido uma referência pessoal, mas também há quem diga que o ato de cutucar os dentes foi uma provocação a Suárez.
Vale destacar que o gol de Pepe foi o primeiro sofrido pelo Uruguai não só na Copa da Rússia, mas em todo o ano. Além dos três jogos da primeira fase do torneio, a seleção celeste também não foi vazada nos três amistosos que disputou em 2018.

O teatro de Suárez

AP Photo/Darko Vojinovic
Imagem: AP Photo/Darko Vojinovic
Depois de defender um chute com as mãos no mata-mata em 2010, e de morder um adversário em 2014, era se de esperar que Luis Suárez estivesse mais uma vez no centro das atenções. Neste sábado, deu assistência para o gol de Cavani, em jogada que mostra bem o alto nível de entendimento entre os dois, e ainda deu um show particular.
Suárez colocou a mão na cabeça e fez drama duas vezes depois de sofrer diferentes faltas de Raphael Guerreiro no primeiro tempo, aos 19 e 42. Nas redes sociais, brasileiros chegaram a dizer que a amizade do atacante com Neymar se justifica nas quedas.
O camisa 9 também protagonizou lances muito elogiáveis e se mostrou muito participativo. Aos 34, aplicou um drible da vaca na intermediária, passou a bola e apareceu na ponta direita menos de 8 segundos depois para recebê-la de volta. Antes disso, aos 20, sofreu falta na entrada da área e exigiu boa defesa de Rui Patricio.

Cristiano Ronaldo sozinho

Jorge Silva/Reuters
Imagem: Jorge Silva/Reuters
A preocupação expressada pelo técnico Fernando Santos antes do jogo se mostrou acertada: se Cristiano Ronaldo estivesse sozinho em campo, Portugal não venceria a partida. E foi exatamente o que aconteceu.
O craque foi o alvo óbvio de quase todas as investidas portuguesas, o que facilitou a estratégia defensiva do Uruguai. Afinal, apesar de talentoso e decisivo, Cristiano Ronaldo é humano e pode ser anulado com boa marcação.
Ao perceber a dificuldade dos companheiros, o camisa 7 até tentou segurar a bola e resolver sozinho. Chegou a driblar três rivais aos 18 do primeiro tempo, mas se enrolou na sequência, quando levantou a cabeça e descobriu que não tinha para quem passar. Ainda levou amarelo nos minutos finais.
Curiosamente, ainda houve outro CR7 em campo a partir dos 17 minutos do segundo tempo, quando Cristian Rodriguez, que também veste a 7, entrou no time do Uruguai. Não fez nada memorável, mas certamente saiu de campo mais feliz que seu "xará" português.

“Sorte do car...”

AP Photo/Darko Vojinovic
Imagem: AP Photo/Darko Vojinovic
Quando Cavani abriu o placar para o Uruguai, em lance no qual a bola pareceu ter tocado mais no peito que na cabeça do atacante, as câmeras imediatamente focaram em Cristiano Ronaldo. A leitura labial do craque não deixou dúvidas sobre o que foi dito: “Sorte do car...”, opinou o português.
FICHA TÉCNICA
URUGUAI 2 X 1 PORTUGAL
Data e hora: 30 de junho de 2018, às 15h
Local: Estádio Olímpico de Fisht, em Sochi (Rússia)
Árbitro: Cesar Ramos (México)
Auxiliares: Marvin Torrentera e Miguel Hernandez (ambos do México)
Cartões amarelos: Cristiano Ronaldo (Portugal)
Gols: Cavani, aos 7 do primeiro tempo, e aos 16 do segundo (Uruguai); Pepe, aos 10 do segundo tempo (Portugal)
URUGUAI: Fernando Muslera; Martin Caceres, Gimenez, Godin e Laxalt; Nandez (Carlos Sanchez), Torreira, Vecino e Bentancur (Cristian Rodriguez); Luis Suarez e Cavani (Stuani)
Técnico: Oscar Tabarez
PORTUGAL: Rui Patricio; Ricardo, Pepe, Fonte e Raphael; William Carvalho, Adrien (Quaresma), Bernardo Silva e João Mario (Manuel Fernandes); Gonçalo Guedes (André Silva) e Cristiano Ronaldo
Técnico: Fernando Santos

Nenhum comentário