Header Ads

CMCG

Reforma da Previdência pode entrar na pauta ainda esse mês, diz Aguinaldo Ribeiro


Em entrevista à imprensa, o relator da reforma da Previdência na Câmara, Arthur Oliveira Maia (PPS-BA), e o líder do governo na Casa, Aguinaldo Ribeiro (PP-PB), admitiram que a reforma deve ser votada até o dia 28 de fevereiro.

O deputado tentou esquivar de fixar a data, mas acabou admitindo que o governo pode desistir de aprovar a matéria após o fim do mês. Segundo Aguinaldo, após a nota do Brasil ser rebaixada, colocar a reforma da Previdência em votação sem a certeza de que ela será aprovada seria um “atentado ao Estado brasileiro”. Alinhado às últimas declarações do presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ), o líder afirmou que, se não for aprovada, a reforma previdenciária será inescapável ao próximo governo e que esse será o principal tema das discussões nas eleições deste ano.

O líder do governo confirmou que as discussões do texto em plenário devem começar após o Carnaval, na semana do dia 19 de fevereiro e os líderes do governo devem trabalhar durante o feriado para “criar ambiente” de votação até o dia 28. “Já estamos em permanente discussão com a nossa base. Não vamos ter recesso [no Carnaval], vamos ouvir a base”, afirmou.

Esquivando de dizer quantos votos o governo calcula ter, Aguinaldo disse que que a expectativa é que a apresentação do texto hoje deve ter repercussão nos votos dos parlamentares e que, mesmo se a reforma não for votada, o tema dominará os debates da eleição. “Todo mundo sabe que é necessário fazer a reforma. Estamos atrás de resolver essa questão no Brasil. O assunto continuará na pauta do país e o próximo presidente terá esse como o primeiro tema a enfrentar”, afirmou.

“Atentado”

Afinado com o discurso de Maia na semana passada, o líder do governo disse que o tema não será “empurrado” após o fim do mês. Segundo Aguinaldo, o processo de discussão começa no plenário, mas, se não houver “clima” para a aprovação, ela não será colocada em votação. “Se nós não conseguirmos aglutinar, nesse momento de discussão, os votos necessários para a aprovação, o presidente Rodrigo Maia retirará de pauta e eu tenho o mesmo entendimento”, afirmou. Para Ribeiro, “seria uma irresponsabilidade com o país” tentar votar a reforma sem certeza dos votos, especialmente após a nota do Brasil ser rebaixada pela agência de risco Standard & Poors, no mês passado. “Seria um atentado contra o estado brasileiro você colocar uma matéria sabendo que não aprovará. Por isso vamos fazer todo o esforço”, disse o líder do governo.

Nenhum comentário