Header Ads

Vida de Vanusa foi marcada por violência e dor desde a infância

 



Chegou ao fim uma história de sucesso, dor e muito sofrimento. A vida da cantora Vanusa, que morreu neste domingo (8), aos 73 anos, foi um desses enredos repletos de altos e baixos, seis casamentos conturbados, violência e dependência química.

Dona de uma voz tão marcante quanto a sua cabeleira loira, Vanusa morreu na casa de repouso onde vivia há mais de dois anos, em Santos, no litoral de São Paulo. O enfermeiro percebeu, por volta das 5h30, que ela estava sem batimentos cardíacos. A causa da morte foi insuficiência respiratória. 

Botão para controlar o volume da publicidade

Vanusa tinha depressão e problemas de saúde causados pelo uso de medicamentos tarja preta em excesso, que a deixaram debilitada. Em setembro, ela esteve internada no Complexo Hospitalar dos Estivadores, também em Santos, com problemas respiratórios e renais. Ela também já apresentava sinais de Alzheimer.

Há 20 anos, revelou detalhes dolorosos de sua vida pessoal em um livro e um espetáculo sobre parte de sua vida.

Violência Doméstica

Segundo relatos de Vanusa, ela se casou sete vezes, seis foram casamentos conturbados, além de ter sido  vítima de violência doméstica desde a infância.

 "Vou me expor e confessar que fui covarde porque apanhei de alguns maridos e não os denunciei para não prejudicar minha carreira", disse Vanusa na época.

Ela queria 'passar a limpo' a própria vida, com confidencias tristes, como o período que viveu praticamente 'confinada' em Saquarema, litoral do Rio, vivendo, segundo ela, o penúltimo e mais predatório dos seus relacionamentos conjugais

Com medo de ameaças, Vanusa não revelou o nome do sexto companheiro e nem o cita na autobiografia.

A cantora disse que sofreu muito nos casamentos com o cantor e compositor Antônio Marcos, que morreu em 1991, com o diretor Globo Augusto César Vanucci, morto no mesmo ano, o jogador de futebol Ademir Vicenti e com o empresário Francisco Machado Cotta.

Sobre Antônio Marcos, nunca escondeu que ele foi o grande 'amor' da vida dela e que o casamento só acabou por conta dos problemas dele como álcool.

Na biografia, Vanusa conta que um dos motivos para o fim dos casamentos era que em algum momento os maridos queriam que ela parasse de cantar. Coisa que nunca admitiu.

"Chegava um momento em que eles queriam que eu parasse de cantar", conta ela. A cada separação, saía de casa levando, além dos filhos, livros, discos e um velho gramofone, presente de Antônio Marcos.

Ela teve três filhos: Amanda, Aretha e Rafael.

A cantora também revelou que apanhou de seus ex-maridos Vanucci, Cotta, e até do próprio pai. Em das brigas violentas com o pai, ele saiu de casa e nunca mais voltou.

Carreira

Com mais de 20 discos lançados ao longo da carreira, e 3 mais de milhões de cópias vendidas, a cantora e compositora era mais identificada com a canção popular do que com a MPB, mas flutuou entre gêneros como rock, funk americano e samba.

Participou do musical 'Hair', gravou discos com Ronnie Von, Antônio Marcos, teve uma carreira ativa nos anos 1980 com o lançamento de discos e participações em diversos festivais de música no país e no exterior, como Uruguai, Coreia do Sul e Chile.

A primeira crise de depressão veio aos 34 anos, no auge da carreira. Não demorou a começar a tomar antidepressivos.

 "Meu terapeuta me disse: sabe por que muitos artistas acabam na miséria, no álcool ou nas drogas? Porque a adrenalina é uma droga poderosa, e quando acaba aquela sensação mágica de quando se está no palco, é duro encarar a realidade", contava ela.

Mesmo com tanta dor, Vanusa lutou até o fim. Dizia para as mulheres nunca abdicarem de seus sonhos e não deixarem nenhum homem passar por cima deles.


R7

Nenhum comentário