Header Ads

Médicos ouvidos pelo TSE e Congresso recomendam adiamento das eleições para novembro

.


(FOLHAPRESS) — Um grupo de médicos e cientistas discutiu na manhã desta terça (16) a necessidade de adiamento das eleições municipais por causa da crise do novo coronavírus.

Eles se reuniram de forma virtual com os presidentes do Senado, Davi Alcolumbre, e da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), além de outros parlamentares.

O encontro foi organizado pelo presidente do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), Luís Roberto Barroso, que já havia conversado anteriormente com os profissionais.

A opinião unânime de todos eles é a de que o pleito precisa ser adiado, de outubro para novembro ou até mesmo dezembro.

Segundo o físico Roberto Kraenkel, especialista em modelagem epidemiológica da Unesp e coordenador do observatório Covid-19, o adiamento permitirá que o país ganhe tempo e que talvez a situação da epidemia, até o fim do ano, esteja mais controlada.

Ele frisa que isso “não é tampouco uma certeza”, mas pode ocorrer.

“Os meses de junho e julho serão críticos para a situação epidêmica do Brasil”, disse ele. “Estamos com medidas de isolamento ainda e existe um movimento pela reabertura [da economia] em muitos locais que ainda crescem”, disse ele aos parlamentares.

Muitas das reaberturas seriam, portanto, temerárias.

“Seria necessário substituir o isolamento por uma testagem em massa”, seguiu ele, afirmando que ela não está ocorrendo.

“É possível haver um repique [de casos de Covid-19] até mesmo em agosto, se as reaberturas não forem bem sucedidas”, disse Kraenkel. Daí a necessidade de adiamento das eleições.

“Em agosto será preciso reavaliar a situação do país, para que possamos tomar pé dela”, disse ele.

O físico alertou ainda que “todas as previsões, estimativas, tem que ser tomadas como probabilidades, e não como certezas”.

O biólogo Átila Iamarino afirmou que há outros fatores que podem influir na curva epidêmica, como a sazonalidade.

Ele disse que o novo coronavírus pode se comportar como outros vírus respiratórios, que se disseminam mais em determinadas estações do ano.

“Isso explicaria por que a região norte tem agora uma mudança brusca [com a queda do número de infectados pelo novo coronavírus]”, seguiu ele.

O percentual de pessoas infectadas, estimado em 25%, não explicaria a queda já que estaria longe do necessário para a chamada imunidade de rebanho, que desacelerariam a velocidade de infecção.

A questão ambiental pode ser uma explicação, inclusive da ascensão da curva de infecção na região sul do país.

Se a sazonalidade se confirmar como fator importante, a situação em todo o país poderá estar mais controlada no fim do ano, quando então se realizariam as eleições municipais.

Participaram da reunião também os infectologistas David Uip e Esper Kallás, o sanitarista Gonzalo Vecina Neto e os epidemiologistas Paulo Lotufo e Ana Ribeiro.

Uma PEC (proposta de emenda à Constituição) já foi apresentada pelo senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) prevendo que as eleições pra prefeitos e vereadores, previstas para ocorrer no dia 4 de outubro, sejam adiadas para 6 de dezembro.

Na justificativa, ele pondera que não se sabe, até o momento, o tempo ainda necessário de afastamento “para minimamente controlar o pico de expansão do vírus” ou mesmo “a descoberta de um medicamento ou vacina que possa conter a doença”, o que recomendaria o adiamento do pleito municipal.

Nenhum comentário