Header Ads

 

O estudo sobre as projeções do Covid-19 para Campina Grande que impactou a vídeoconferência de Romero com o setor comercial


Relatório do infectologista Rodolpho Dantas projeta que manutenção de medidas por uma semana a mais pode representar a salvação de mais de 9 mil vidas na cidade


Um estudo objetivo apresentado pelo médico infectologista Rodolpho Dantas, durante a vídeoconferência que o prefeito Romero Rodrigues realizou na manhã deste sábado, 28, com o setor comercila e representantes do Ministério Público Estadual e Ministério Público do Trabalho foi decisivo para que o grupo admitisse o risco de qualquer nível de relaxamento nas medidas adotadas até o momento em Campina Grande.

Batizado de "A matemática da Covid-19 em Campina Grande e o distanciamentos social", o relatório de Rodolpho Dantas destaca os seguintes pontos:

- A Grande Campina possui uma população de 1.200.000.

- Caso as medidas sejam interrompidas, 80% da população vai adquirir a doença: 960.000 pessoas.

- 50% dos casos são assintomáticos e 50% vão manifestar a doença: 480.000 pessoas doentes.

- 80% das pessoas vão ter formas leves a moderadas e 20% vão necessitar internações:96.000 pessoas internadas, sendo 19.200 em UTI e 76.800 em enfermaria.

- Se cada pessoa ficar internada 7 dias em enfermaria, seriam necessários 5.973 leitos só para Covid-19, sem contar com as outras doenças (infartos, pneumonias, dengues...)

- Se cada pessoa ficar internada 10 dias na UTI necessitaríamos 2.133 leitos.

- Mesmo com todos esses leitos ainda teríamos 1920 mortes esperadas.

- Hoje, Campina Grande dispõe de 150 leitos de UTI (público e privado.) Antes, nos dois setores eram 89 para UTI e 168 de internamento, o que significa que nesse cenário morreriam 8.010 pessoas por falta de UTI e 61.680 pessoas por falta de leitos de enfermaria ou seja 69.690.


Se forem mantidas todas as medidas de distanciamento social

 - Campina Grande continua com 1,2 milhão de pessoas. Porém, com as medidas em curso,  65% da população vai adquirir a doença - ou seja, 780 mil.

- 50% dos casos assintomáticos e 50% sintomáticos: neste cenário 390 mil pessoas adoeceriam. 20% (78 mil pacientes)  vão precisar de internamento,  sendo 15,6 mil na UTI e 62,4 mil em enfermarias. 1.560 pessoas morreriam da doença.

- Mesmo assim, 2.100 morreriam por falta de UTI e 48.900 por falta de enfermaria. No total 60.000.

- Fechar o comércio por mais 14 dias e incentivar a adesão salvaria, pelo menos, 9.690 vidas na Grande Campina.

E o que a prefeitura está fazendo para salvar essas 60 mil vidas ?

- Ao otimizar os processos no serviço público, consegue-se diminuir vários tempos: de espera por exame,  de limpeza do leito e de retirada do corpo, em caso de óbito esperamos aumentar nossos leitos “virtualmente” em 15%;
- Já está em estudos o melhor lugar para instalar um hospital de campanha para diminuir esse déficit de 390 leitos. Como são leitos de menor densidade tecnológica, necessitará principalmente de oxigênio.
- Massificando os testes

Nenhum comentário