Header Ads

Primeira aluna surda é aprovada com louvor em dissertação de mestrado em ensino de Libras defendida na UFCG


A estudante Girlaine Felisberto de Caldas Aguiar, do Programa de Pós-Graduação em Linguagem e Ensino (PPGLE) da Universidade Federal de Campina Grande (UFCG), entra em definitivo para a História da Instituição, como primeira aluna surda a defender uma dissertação de mestrado em Libras, onde foi aprovada com louvor, conquistando a nota máxima. O trabalho foi apresentado, na tarde desta terça-feira (16), no auditório do Centro de Humanidades.

O tema defendido foi o “Ensino de Libras para aprendizes ouvintes: a injunção e o espaço como dimensões ensináveis do gênero Instrução de Percurso”, a dissertação parte de uma perspectiva inovadora e contou com um público de ouvintes e surdos expressivo.

Sua orientadora, a professora de Linguística Aplicada da UFCG e do Mestrado em Linguagem e Ensino, Maria Augusta Reinaldo se disse satisfeita e bastante feliz por ter contribuído para o desenvolvimento de uma metodologia inovadora de ensino de Libras para L2, que será empregada na Instituição e também será publicada, além de poder ser desmembrada em várias outras publicações.


“Sinto-me feliz e satisfeita com esta orientação da nossa aluna Girlaine, por ter a certeza da contribuição que a gente está trazendo para o mercado de surdos. Trata-se de uma contribuição sem precedentes para a chamada inclusão do surdo, uma vez que pudemos desenvolver uma metodologia inovadora de ensino de libras para L2”, destacou Maria Augusta.

A professora da Universidade Federal de Pelotas (UFPel), Tatiana Bolivar Lebedeff fez parte da banca examinadora e após externar suas considerações acerca do trabalho apresentado por Girlaine Felisberto, destacou o ineditismo da obra. “É uma experiência muito interessante, uma pesquisa inédita na bibliografia e metodologia utilizadas, então é um trabalho que realmente mereceu distinção”, ponderou Tatiana.

Segundo, Tatiana Lebedeff o trabalho possibilita novas metodologias de ensino de Libras. Ela explicou que Girlaine usou uma abordagem comunicativa em sua prática docente, campo de pesquisa, na qual a pessoa tem que resolver problemas. Portanto, ajuda as pessoas a se comunicarem melhor com os surdos, descobrindo as diferentes estratégias de fazer essa comunicação..

“Uma das questões levantadas por Girlaine é que os surdos, por serem nativos na língua, têm uma concepção de espaço diferente da que nós ouvintes temos, porque nós não usamos a língua nesse mesmo espaço. Então o que ela conseguiu observar, vai poder ser utilizado para auxiliar no ensino de ouvintes. Por exemplo, neste caso em específico, servirá para que os ouvintes consigam aprender a entender melhor instruções e fornecer melhores informações para os surdos. Sendo assim, o trabalho tem muito a contribuir para a área da linguística aplicada de Libras e com certeza vai contribuir bastante para o entendimento do ouvinte na língua de surdos”, pontuou Tatiana.

Ao final da sua defesa, Girlaine afirmou que se sentia muito feliz pelo alcance e reconhecimento da sua pesquisa na busca de poder atender essa demanda do ensino da Libras como segunda Língua para ouvintes e relatou o desejo de que seu trabalho possa ser difundido para toda a sociedade. “Sinto-me feliz pelo resultado que alcancei, por atender essa importante demanda. Essa pesquisa é realmente inédita aqui no Brasil. Eu procurei outras pesquisas, mas eu não encontrei. Tenho esperança que quando as pessoas lerem a minha dissertação, começarão a desenvolver metodologias relacionadas aos gêneros textuais na área da língua de sinais”, disse.

Futuramente, Girlaine anseia poder reunir professores para participarem de uma formação sobre a nova metodologia desenvolvida e assegura estar pronta para compartilhar os conhecimentos adquiridos ao longo da sua pesquisa. Ela também relatou o desejo de poder desenvolver material novo relacionado a gêneros textuais em Libras e que as pessoas possam ter seu trabalho como referência. “Estes são os meus próximos projetos, poder reunir e formar professores nessa nova metodologia e poder desenvolver material novo relacionado e referenciado na minha pesquisa”, salientou.

Nenhum comentário