Header Ads

CMCG

Boqueirão ultrapassa os 90 milhões em água acumulada com cheias dos Rios Paraíba e Taperoá e é o 3º que mais recebeu água no Estado


As chuvas que caíram na Paraíba nos últimos dias e provocaram cheias nos Rios Taperoá e Paraíba, elevaram significativamente o nível de água armazenada no açude Epitácio Pessoa. O manancial, responsável pelo abastecimento de Campina Grande e mais 18 municípios do Compartimento da Borborema, é o terceiro no Estado que mais recebeu água nos últimos dias, o que garante segurança hídrica para mais de 1 milhão de paraibanos por pelo menos, dois anos. O encontro das águas dois dois rios, se transformou em um espetáculo da natureza e chamou a atenção de muitos paraibanos. A água desce em direção ao açude formando uma cachoeira.
Com as chuvas, a lâmina de água de Boqueirão subiu 21 cm, conforme ados fornecidos pelo Departamento Nacional de Obras Contra as Secas (Dnocs-PB). Essa nova recarga, corresponde a 2.716.390 m³ de água, aconteceu e foi resultado da cheia nos rios Taperoá, em Cabaceiras, e Paraíba.
O açude, que tem capacidade para armazenar até 411.686.287 m³ de água, ultrapassou os 90.796.077 milhões de metros cúbicos de água acumulada, o que corresponde a 22,5% de sua capacidade. Na segunda-feira, Boqueirão estava com 21,7% da capacidade total - o que correspondia a 89.502.558 m³ de água.
O Dnocs informou ainda que as águas continuam chegando ao açude e a previsão é que haja mais recarga nos próximos dias.

Bombeamento – Conforme noticiou o PB Agora na última sexta-feira (15), o bombeamento das águas da Transposição do Rio São Francisco para o Boqueirão, que havia sido suspenso pela segunda vez desde o dia 1º de fevereiro deste ano, voltou a funcionar na quinta-feira (14). Segundo o gerente de Monitoramento de Barragens da Agência Executiva de Gestão das Águas da Paraíba (Aesa), Alexandre Magno, a vazão é de cerca de 50% em relação ao que era regularmente colocado de 2017 a março de 2018. A vazão, que era de 4.2 a 4.6, agora é 1.8 a 2 mm/s.

O bombeamento havia sido suspenso pelo Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR). De acordo com a pasta, a suspensão ocorreu desde o dia 1º de fevereiro, para ajustes e verificações do funcionamento dos equipamentos hidromecânicos.



PB Agora

Nenhum comentário