Header Ads

CMCG

Reitoria da UEPB espera mais diálogo com João Azevedo e pede audiência a governador


Patrimônio da Paraíba com mais de 52 anos de existência, a Universidade Estadual da Paraíba (UEPB), atravessa dias conturbados com a redução do orçamento. Os cortes orçamentários ainda não inviabilizaram os programas e projetos que beneficiam diretamente a população, em todos os municípios paraibanos, mas impediam a universidade de continuar o seu crescimento.
A reitoria que há oito anos, clama por um orçamento condizente com o tomanho da instituição, espera que o governo de João Azevedo (PSB), iniciado neste mês de janeiro, tenha um olhar mais atencioso para a UEPB, principalmente respeitando a Lei (7.643 /2004), batizada de Lei da Autonomia.


O reitor Rangel Junior, disse em entrevista a Rádio Correio FM, que a expectativa da UEPB para com a nova gestão do governador João Azevêdo, é favorável e e espera  a implantação de novas políticas e alternativas diferentes para a universidade.

– Não existem respostas prontas, ou repetidas para as situações. Nós que fazemos a UEPB temos sempre a expectativa de que bons ventos possam soprar para a instituição. Em março, a UEPB comemora 53 anos de existência e, sem dúvida alguma, com uma contribuição fenomenal ao povo da Paraíba. Então, a expectativa que nós temos é de que possamos ter portas abertas, ouvidos abertos e coração aberto para a UEPB – frisou.

No começo deste mês, o reitor em exercício Flávio Romero Guimarães, solicitou audiência com o governador  João Azevêdo, com o objetivo de apresentar uma Agenda Propositiva 2019/2023 voltada à promoção de avanços em políticas públicas prioritárias para a Paraíba. A solicitação foi recebida pelo Executivo Estadual na última segunda-feira (7).
A intenção de iniciar um diálogo entre a Universidade e o Governo Estadual partiu da necessidade de se observar a implementação de um conjunto de ações articuladas entre a UEPB e os diversos setores do Estado, em favor do povo paraibano. De acordo com o professor Flávio Romero, é reconhecível as dificuldades da agenda da gestão do governador, face à complexidade do início de seu mandato, contudo, ele acredita que a UEPB tem potencial para se constituir numa instituição ainda mais sintonizada com as ações do Governo.
“O objetivo primeiro dessa audiência é aproximar a Universidade do novo governador, apresentar para ele um perfil da Instituição, das ações que desenvolvemos no ensino, na pesquisa e na extensão, para que ele tenha um panorama da realidade do que a UEPB representa no contexto educacional da Paraíba” observou.

Flavio disse que pretende ainda com a audiência,  mostrar o potencial da UEPB que diz e como a instituição pode contribuir ainda mais para esta gestão.
“Vamos levar para o Governo do Estado uma agenda positiva em que apresentaremos uma série de sugestões que podem ser desenvolvidas em parceria com os diversos órgãos estaduais, notadamente a Secretaria de Educação”, explicou.

Flávio Romero ainda acrescentou que durante essa audiência com o governador também estão em pauta as questões orçamentária e financeira da Universidade. “Esses são pontos importantes que também deveremos tratar. Pretendemos discuti-las, pois são assuntos que estão relacionados diretamente às nossas ações em todas as frentes de atuação da Instituição”, disse. Confira na íntegra o ofício encaminhado ao governador

Em entrevista à Rádio Campina FM ele falou sobre a queda no orçamento da instituição como ponto negativo, mas disse que, assim como boa parte dos brasileiros, está esperançoso para mudanças positivas em 2019.
– A UEPB, como é do conhecimento da sociedade civil, tem passado por uma série de dificuldades decorrentes do encurtamento orçamentário que foi imposto pelo governo do Estado, e que de certa forma não condiz ou não se adequa ao tamanho da instituição – disse.

Flávio disse também que houve muitos pontos positivos do governo de Ricardo Coutinho, em áreas como a saúde pública, educação básica e infraestrutura, porém, segundo ele, em contrapartida, a UEPB foi seguindo em uma situação crítica causando conflitos entre a instituição e o Estado.
– Mesmo mantendo um diálogo institucional, em alguns momentos fez necessário estabelecer uma relação em que a reitoria tomasse posições mais firmes na defesa da instituição – destacou.
Com a UEPB prestes a completar 53 anos, Flávio disse que as expectativas para o ano que se inicia são de que haja uma comunicação mais aberta entre a Universidade Estadual e o atual governo.

– Em articulação com o próprio reitor, e por orientação dele, já encaminhamos um ofício para o governador João Azevêdo, pedindo uma audiência, e nessa audiência, nós vamos apresentar um conjunto de propostas, de ações que a UEPB pode desenvolver em parceria com o governo do Estado – explicou.
A partir desse diálogo mais aberto, Flávio Romero espera que seja possível discutir o repasse de verbas para a universidade, que, segundo ele, não é equivalente ao tamanho e evolução que a instituição se encontra.
– Se você tem um orçamento ‘x’ e tem uma universidade que não se adequa a esse tamanho, das duas, uma: ou você aumenta o orçamento, ou a universidade encolhe – finalizou.



PB Agora

Nenhum comentário