Header Ads

Aguinaldo admite apoio a Temer para reeleição e volta a defender a Reforma da Previdência



Líder do governo na Câmara, o deputado Aguinaldo Ribeiro (PP-PB) admitiu, em entrevista esta semana ao Estadão, que o Plano de Segurança lançado em fevereiro passado é "a bala de prata" para tentar melhorar a imagem do presidente Michel Temer (MDB) e viabilizar uma eventual candidatura do emedebista à reeleição.

Em entrevista ao Estadão/Broadcast Político, o deputado do PP evitou endossar a pré-candidatura do tucano Geraldo Alckmin e repetiu o discurso de que o País está cansado da polarização entre PT e PSDB.

A segurança é o tudo ou nada do governo para Temer sair com uma boa imagem?

Eu acho que o governo já consolidou a imagem de um governo reformista, o governo fez muito, tocou em matérias que antes se quer se pensava em tocar neste País. Evidentemente que nenhum governo fará tudo. Eu acho que na pauta de segurança, o governo fez, mais uma vez, o que ninguém teve coragem de fazer, que foi criar um Ministério Extraordinário da Segurança Pública.

Se a intervenção no Rio der certo, a candidatura de Temer à reeleição se torna viável?

Tudo é consequência na vida. Eu não gosto muito de trabalhar com hipóteses, eu gosto de trabalhar com a realidade, e a realidade é a seguinte: se o governo conseguir, não é nem só fazer dar certo, mas que essa percepção seja transformada em um fortalecimento da imagem do presidente, evidentemente que ele vai ter uma outra posição, mas ele tem dito que não é candidato. Se isso se configurar, ele no mínimo será um grande eleitor.

É última grande cartada do governo?

É inegável que essa decisão teve um efeito de reconhecimento da população de imediato, as pesquisas que foram publicadas mostram isso. Isso ajuda o governo do ponto de vista da imagem? Na minha avaliação, ajuda.

Do ponto de vista eleitoral também?

Se você melhora a percepção das pessoas, você também está melhorando a percepção eleitoral. Segurança é sim a bala de prata (de Temer), embora já se tenha feito muita coisa.

O governo Temer tem um índice de rejeição altíssimo. Não é muito difícil reverter esse cenário?

Na política, a percepção do eleitor é imprevisível. Você pode ter aí uma reação que pode mudar isso. Vamos aguardar os fatos. Nada em política é irreversível.

O centro vai conseguir ter um candidato único nesta eleição?

Aí vai depender da capacidade e do altruísmo também das lideranças em favor de um projeto nacional. O que a gente tem visto na política é que as pessoas têm se preocupado às vezes com os projetos pessoais. Se as forças de centro tiverem a disposição de estarem juntas em nome de um projeto para o País, tenho certeza que será um momento muito positivo.

A base já está trabalhando com um cenário em que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva não poderá ser candidato. Qual o impacto disso na eleição?

Acho que isso criou um espaço maior no campo da esquerda, onde tem aqueles que querem ocupar o espaço que o ex-presidente tem hoje de liderança no País. Isso também gera um espaço muito maior para que uma candidatura possa ser construída no centro. Isso faz com que se possa quebrar essa polarização entre PT e PSDB, que vem perdurando desde 1994 no País e que se possa oferecer uma alternativa.

Nenhum comentário