Header Ads

Cássio: "O momento não é pra bate-boca político e sim soluções pra segurança"


Determinado a mobilizar a bancada federal em favor da cobrança de medidas urgentes contra o crescimento da violência na Paraíba, o senador Cássio Cunha Lima disse nesta segunda-feira (19), durante entrevistas a rádios do Estado, que é fundamental deixar de lado as velhas disputas políticas e unir esforços em favor da população. “As pessoas nunca sofreram tanto com a violência na Paraíba quanto agora. E o que elas esperam neste momento do Governo do Estado e do Governo Federal é a adoção de medidas urgentes contra a ação dos criminosos”, ponderou Cássio.
O senador defende a mobilização das bancadas da Paraíba na Câmara e no Senado principalmente após a intervenção do Exército na segurança do Rio de Janeiro. Isso porque especialistas têm alertado para a possibilidade de traficantes de drogas e de armas transferirem suas atividades para outros Estados do Nordeste, inclusive a Paraíba, caso medidas urgentes não sejam adotadas – o que já ocorreu em outras ocasiões. “Este é um momento de união em defesa da população e da segurança do povo paraibano. Não é hora de velhos embates políticos, muito menos de atitudes oportunistas”, argumentou, lembrando que apenas no ano passado foram registradas 81 explosões de agências bancárias nas cidades paraibanas. Desde janeiro, já são mais de 20. Por outro lado, o efetivo de policiais militares no Estado caiu em cerca de um terço nos últimos anos.
Vice-presidente do Senado, Cássio preferiu deixar de lado os ataques políticos do governador Ricardo Coutinho. “Passou o tempo das velhas brigas e velhas disputas. A população quer resultados concretos, quer ação para não deixar que a violência cresça ainda mais. Após quase oito anos, prestes a acabar, não cabe mais ao atual governo atribuir a gestões passadas os erros do presente”, afirmou. “Quais medidas o governo vai adotar para conter a criminalidade? As pessoas querem uma resposta a essa questão, porque sabem que bate-boca não leva ninguém a lugar algum”, salientou.

Nenhum comentário