Header Ads

CMCG

Caso Warley: Acusado revela que não houve assalto e que ex-jogador não quis pagar por programa


Uma travesti acusada de desferir golpes de faca no ex-jogador Warley foi detida pela Polícia Civil nesta terça-feira (30), na cidade de Cabedelo, na região metropolitana da capital. Ela revelou, em depoimento, que a versão dada pelo atual gerente de futebol do Botafogo não seria verdadeira e que não houve assalto. O suspeito tem 26 anos e informou que trabalha como garoto de programa à noite.

“Eu não assaltei. Simplesmente ele contratou um serviço e ele não pagou. Foi totalmente diferente do que ele passou”, disse à imprensa.

Como ocorreu, segundo a acusada - A suspeita disse que foi abordada pelo ex-atleta na Avenida Edson Ramalho, no bairro de Manaíra, para a contratação de um programa. “Eu disse que iria para a casa dele numa boa. Aí ele desistiu e disse que faríamos ali mesmo na rua”, contou.

O serviço custaria R$ 80. Segundo o relato do acusado, ele passou cerca de 30 minutos com Warley e que houve um desentendimento por que ele não queria pagar o valor acertado. Ele apresentou um hematoma e disse que agiu em legítima defesa. “Tem um momento que ele me ataca com uma voadora, com um cinturão, querendo me bater”, revelou.

O acusado disse que o ex-jogador o tratou com agressividade quando ele cobrou pelo serviço. “Digamos que eu peguei um objeto dele depois que ele se negou a pagar o programa, pedi pelo menos a metade. Ele disse não, não e não. Ele puxou um canivete e nessa hora a gente começou a discutir. Entramos em luta corporal, ele acabou se machucando. Saí do carro, ele puxou pelos meus cabelos e me derrubou. Foi aí que eu ceguei. E na luta corporal ele acabou se machucando, eu não quis furar ninguém. Ele que acabou se machucando”, completou.

“Eu não aceito que nenhum homem venha me bater. Estou revoltado”, ponderou.

PortalT5

Nenhum comentário